Imanishi

Tratamento Estético

Este segmento engloba procedimentos minimamente invasivos realizados pelo Dr. Marcelo Imanishi que visam melhoria de algumas imperfeicoes físicas visíveis e que incomodam os pacientes e até mesmo melhoria de resultados pós operatórios.

Carboxiterapia

O que é Carboxiterapia?

A carboxiterapia é uma técnica estética não-cirúrgica, na qual o gás carbônico é injetado no tecido subcutâneo ou planos mais superficiais na pele, utilizando-se um aparelho com uma agulha muito fina. Isso melhora a circulação e oxigenação dos tecidos além de estimular a produção de colágeno.


Quais são as aplicações da Carboxiterapia?

São infinitas as aplicações da carboxiterapia:

• Gordura Localizada

• Celulite

• Estrias

• Olheiras

• Gordura submentoniana (papada)

• Rugas facias

• Flacidez de pele

• Cicatrização de feridas

• Cicatrizes

• Alopecia (queda de cabelo)

• Tratamento de telangectasias (vasinhos)

• Pré e pós-operatório em geral


O uso do gás carbônico não é prejudicial à saúde?

O gás carbônico não é tóxico e está presente normalmente no organismo como intermediário do metabolismo celular e também não provoca alergias. O exame de laparoscopia usa o mesmo gás em quantidades muito superiores.


Como é o tratamento?

Consiste em aplicações semanais, entre duas e três, num total de 10 a 15 sessões, com duração média de 30 minutos. A partir da quarta sessão já é possível observar a pele mais enrijecida pela melhor distribuição do colágeno e a redução de medidas.


Qual o mecanismo de ação da carboxiterapia?

O gás carbônico injetado age de forma local, aumentando o fluxo sanguíneo, melhorando a circulação e a drenagem linfática e, dessa forma, trata a celulite. A melhora da circulação permite a melhora da flacidez e o rejuvenescimento. Nos locais onde há acúmulo de gordura, o efeito mecânico do tratamento é destruir as células gordurosas levando a uma redução de medidas.


Quem pode ser tratado pela carboxiterapia?

Todos, inclusive homens, desde que possuam uma boa saúde.

Hiperhidrose

O que é Hiperhidrose?

Hiperhidrose é um excesso desagradável de suor, em uma ou várias partes do corpo, que ultrapassa a necessidade de termoregulação ( controle da temperatura corporal). É uma condição benigna, mas que pode trazer desagrado a seus portadores. Um diagnóstico não muito raro, atingindo até 1% da população.

Os portadores podem apresentar um aumento de sudorese em situações inexplicáveis e sem qualquer causa aparente. Este aumento pode aparecer na axila, nas mãos, nos pés, no rosto ou em qualquer outra parte do corpo.

Às vezes emoções podem piorar o processo de Hiperhidrose. Mas pode também aparecer mesmo sem qualquer motivo aparente, o que é causa de constrangimento emocional, passando a imagem de um grande descontrole emocional, quando na realidade ele não existe em tal grau.

Em algumas pessoas aparece em baixas temperaturas e em outras em altas temperaturas.

Causas

Existem 2 tipos de glândulas na pele, as apócrinas e as écrinas.

A hipersecreção das glândulas écrinas é que causam as alterações observadas, estão mais concentradas na axila, palmas e plantas e tem importante papel na termoregulação. O excesso de secreção desta glândula é que causa a Hiperhidrose.

Existem 2 tipos de Hiperhidrose : a Primária e a Secundária. A Hiperhidrose Primária não tem causa conhecida, se devendo mais a fatores genéticos. Hiperhidrose Secundária é aquela associada a uma causa, o mais freqüente é poder estar associada à obesidade, menopausa, uso de drogas antidepressivas, alterações endócrinas e alterações neurológicas com disfunção do sistema nervoso.

Medicamentos neurológicos e psiquiátricos podem desencadear Hiperhidrose.

Sinais e Sintomas

A maioria das pessoas, que não tem Hiperhidrose, e mesmo alguns profissionais de saúde e familiares, não sabem quantificar o tamanho do incômodo que ela causa aos seus portadores. Embora não configure um problema de saúde grave, só os que a tem podem dimensionar o grau de desagrado por ela provocado, e a maioria se refere ao excesso de suor como um grande problema.

A Hiperhidrose atinge homens e mulheres e se manifesta em várias idades.

O que evidencia a causa genética , é que nas famílias de pacientes que tem Hiperhidrose, é comum, embora não obrigatório, que existam outros parentes diretos com o mesmo problema. Muitos pacientes referem que a Hiperhidrose se manifestou ou piorou quando submetidos a pressões de responsabilidade profissional e/ou afetiva, quando adultos jovens ou na adolescência.

Os pacientes, em quase sua totalidade, podem apresentar um fator desencadeante : referem que quando percebem que vão começar a apresentar sudorese, sentem um processo de ansiedade, gerado pela própria consciência da Hiperhidrose e que desencadeia, instantaneamente, uma sudorese ainda mais profusa.

Atinge principalmente a axila, as mãos e os pés, mas pode atingir também a face, principalmente a região frontal ( a testa) e o couro cabeludo, assim como o tórax, a nuca, a região sob a mama, a região inguinal, e qualquer outra região do corpo.

Os portadores de Hiperhidrose Axilar (axilas) se queixam de roupas excessivamente molhadas, manchadas e danificadas, aspecto de má higiene, impressão de descontrole emocional e falta de adaptação aos trajes necessários para o trabalho.

Os portadores de Hiperhidrose Palmar (mãos) se queixam de dificuldades para manusear papéis, em trabalhos manuais de diversos tipos, tocar instrumentos, digitar computadores, cumprimentar com um aperto de mão, no contato afetivo, para dirigir e para a prática de esportes.

Os portadores de Hiperhidrose Plantar (pés) se queixam de umidade exagerada, facilidade para adquirir micoses (frieiras) e sensação de que os pés escorregam por dentro do sapato.

Por haver um aumento do número de bactérias em regiões umidas do corpo, a Hiperhidrose pode estar associada com um aumento de odor, embora não seja a responsável direta por este tipo de problema.


Tratamentos

Existem dois tratamentos eficientes para a Hiperhidrose, a Toxina Botulínica e a Simpatectomia.

A Simpatectomia é uma cirurgia através de uma pequena incisão no tórax,é uma técnica eficiente, mas TEM COMPLICAÇÕES raras, mas reais, o que torna a decisão por esse tipo de tratamento muito séria tanto para o médico como para o paciente.

Uma nova técnica, muito moderna, a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ), foi adicionada ao tratamento da Hiperhidrose. O procedimento é realizado no ambiente do consultório médico, e o paciente pode retornar as suas atividades normais no mesmo dia. O Tratamento com a Toxina Botulínica não e definitivo , mas reaplicações podem ser feitas, em media a cada 6 a 12 meses,dependendo do caso, o que mantém a região tratada sem sudorese excessiva.

A vantagem da Simpatectomia é que ela é definitiva, a desvantagem é que é uma cirurgia e que pode apresentar complicações, algumas ireversíveis.

A vantagem da Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) , é que apresenta quase nenhum risco, e não é cirurgia, a desvantagem é que não é definitivo.

Considerando estes aspéctos e a facilidade do procedimento, preferimos a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) à Simpatectomia em nossa clínica. A Toxina Botulínica pode ser aplicada nas mãos e axilas, na região frontal do rosto, em regiões do pescoço e em pequenas áreas do tórax , com riscos praticamente desprezíveis, além disso não apresenta Hiperhidrose Compensatória e nem Síndrome de Horner ou complicações cirúrgicas.

Se a escolha for por segurança a melhor opção é a a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) , o que nós preferimos, se a escolha for pela fato de ser definitivo a melhor opção é a Simpatectomia


O Tratamento com Toxina Botulínica ( Botox / Dysport )

O primeiro relato de abolição de sudorese por uso de Toxina Botulínica farmacológica foi feito em um estudo dos EUA, de 1995, em que um voluntário médico, se auto-injetou 1 unidade de toxina botulínica A no subcutâneo do antebraço e conseguiu com isso abolição da sudorese.

Atualmente a Toxina Botulínica vem sendo utilizada para controle da Hiperhidrose palmar e axilar e de outras localizações. O Tempo de ação varia de 4 à 12 meses, dependendo do caso e do local aplicado.As reaplicações repetem os resultados na imensa maioria das vezes.

A utilização da Toxina Botulínica com fins terapêuticos vem aumentando, e as indicações atingem amplas áreas de atuação médica.

Embora faça parte de nosso grupo um médico com formação em Cirurgia Geral, preferimos o uso da Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ), não utilizando a Simpatectomia por causa do risco raro, mas real de complicações definitivas como a síndrome de Horner, que é a queda da pálpebra, uma inestética complicação , que não pode ser corrigida e principalmente por causa da Hiperhidrose Compensatória ( suor profuso em outra parte co corpo como conseqüência da Simpatectomia).

Quando aplicado na pele, a Toxina Botulínica "desliga" o nervo da glândula sudorípara.O nervo fica absolutamente normal e a glândula de suor também, mas não há passagem do estímulo que provoca o suor.

Como o nervo fica íntegro e a glândula de suor também, após um período de tempo, que depende do local onde a Toxina Botulínica foi aplicada no corpo, ocorre uma religação do nervo na glândula, e o estímulo nervoso volta a agir e o suor retorna. Mas a a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) pode ser reaplicada, que o desaparecimento da Hiperhidrose vai novamente ocorrer.

Se o fato de ser necessário reaplicar a Toxina Botulínica , é aparentemente um inconveniente, é também uma garantia de nada que de mau possa ocorrer, embora sejam raras e praticamente inexistentes as complicações deste tratamento, se houverem, serão reverssíveis, o que não ocorre com a Simpatectomia, que é irreverssível, até dias de hoje.

Duração do bloqueio da Hiperhidrose pela toxina botulínica

A abolição da Hiperhidrose não tem a mesma duração para todos os pacientes, No caso da axila, a abolição química da Hiperhidrose permanece de 4 a 12 meses. Para a axila de 4 a 15 meses. Com a evolução da técnica, estes tempos de duração estão sendo aumentados.

Entretanto, notamos que embora o efeito químico desapareça neste período de tempo, os pacientes levavam mais tempo para retornar para uma nova aplicação. E mesmo levando este maior tempo para reaplicar, a maioria refere uma melhora da qualidade de vida.

A aplicação cria segurança, o paciente tem a consciência de “poder parar a sudorese quando quiser”, bastando reaplicar a toxina, poder que não possuía anteriormente.

A Consulta

Sugerimos realizar uma consulta antes da aplicação da Toxina Botulínica para uma correta avaliação do caso e planejamento do tratamento, além de esclarecimentos ao paciente de eventuais dúvidas.

Procedimento

É realizado na própria clínica a aplicação axilar, nas mãos, pés ou face. Pode ser utilizada uma anestesia local. O procedimento todo leva em média 20 minutos para a axila e 40 minutos para as mãos.

Preparo antes do tratamento

Apenas um boa higiene da região a ser tratada com uma solução antisséptica. Não é necessário jejum. Temos por hábito realizar um teste para "mapeamento" da região com maior sudorese aplicando uma solução de iodo seguida da aplicação de amido em pó.

Cuidados após o tratamento da Hiperhidrose axilar

Nenhum cuidado especial, podendo retornar às atividades profissionais imediatamente . Exercícios já podem ser praticados no dia seguinte.

Após o tratamento das mãos, apenas se recomenda evitar o uso das mãos em atividades que expõe à poeira, terra ou outros contaminantes por 1 dia.


Simpatectomia Vídeo Endoscópica

É realizada sob anestesia geral. Uma cânula é passada através de um pequeno corte no tórax e através do acompanhamento pelo vídeo, o cirurgião identifica o nervo simpático. A técnica é eficiente com excelentes resultados, mas apresenta complicações, entre elas a mais freqüente é a Hiperhidrose Compensatória ( um aumento de suor em outras partes do corpo) , que é uma situação muito desagradável. Para executar esta operação, o pulmão do paciente tem que ser colabado (fechado).

Complicações da Simpatectomia

Hiperhidrose Compensatória

Quando a Simpatectomia Videoendoscópica é realizada ocorre o desaparecimento da Hiperhidrose na região tratada. Como o suor é uma forma de regular a temperatura do corpo, passa a ocorrer um aumento de suor em outros locais. Este processo é normal na cirurgia e é chamado Hiperhidrose Compensatória. Na maioria dos pacientes a Hiperhidrose Compensatória é leve, pode desaparecer com o tempo e é uma situação aceitável e melhor do que a situação inicial de Hiperhidrose axilar e palmar que motivou a cirurgia. Entretanto, em um porcentagem menor de casos , em torno de 5 a 10% , a Hiperhidrose Compensatória é desagradável e em casos raros pior do que a situação anterior. Alguns pacientes se queixam de suor no abdomem, nas costas, na região inguinal, em parte do rosto, ou nos pés.Alguns pacientes se sentem tão desagradados que gostariam de reverter a cirurgia, o que não é possível.

Quando fazemos a aplicação de Toxina Botulínica para tratamento da Hiperhidrose , não existe Hiperhidrose Compensatória. Este é o principal motivo pelo qual preferimos a a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) à Simpatectomia para tratar Hiperhidrose.

Hiperhidrose Gustativa

Um outro efeito colateral potencial é o suor gustativo . Pacientes que desenvolvem esta tipo de problema aumentam o suor quando estão comendo. Isto acontece em aproximadamente 5-10% de pacientes mas raramente é severo.


Síndrome de Horner

Outro problema que pode ocorrer: a queda da pálpebra. Estas complicação é irreversível.Embora rara, é a mais temida complicação da cirurgia de simpatectomia videoendoscópica.

Riscos Gerais

Outras complicações como sangramento (hemotórax) e perfuração do pulmão (pneumotórax) podem ocorrer, mas são raras e tratáveis. Podem ocorrer complicações da anestesia, embora em sua maioria sejam controláveis. A infecção é rara , mas possível.

Justificativa de nossa posição

Muitos pacientes são beneficiados pela simpatectomia, mas uns poucos não. Como são situações imprevisíveis, preferimos tratar a Hiperhidrose com a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) porque não apresenta Hiperhidrose Compensatória e nem Síndrome de Horner, e nem complicações cirúrgicas.

Se a escolha for por segurança a melhor opção é a Toxina Botulínica a Toxina Botulínica ( Botox / Dysport ) , o que nós preferimos, se a escolha for pela fato de ser definitivo a melhor opção é a Simpatectomia

Laser de CO2 Fracionado

O LASER de CO2 Fracionado é um dos mais novos métodos de tratamento dos sinais de envelhecimento da pele, e progressivamente vem ocupando um importante lugar no arsenal nas Clínicas Médicas que tratam da Estética Humana.

É uma técnica relativamente nova, que procura associar o benefício do LASER de CO2, já usado com sucesso no passado com a a finalidade de rejuvenescimento mas com uma recuperação mais fácil que é característica desta técnica. O LASER de CO2 Tradicional é aplicado em uma só sessão e tem ação sobre toda a extensão da pele, enquanto o LASER Fracionado de CO2 age em micropontos, e é aplicado em sessões seriadas, minimizando a recuperação do tratamento mas mantendo bons resultados.

O LASER de CO2 tradicional provoca uma queimadura da pele que posteriormente apresenta a cicatrização á partir dos folículos pilosos e das glândulas sebáceas. Após a recuperação a pele vai apresentar-se nova com a eliminação ou melhora das lesões de doença dermatológicas e dos sinais de envelhecimento que apresentava anteriormente. Apresenta bons resultados, mas o LASER de CO2 Tradicional tem uma recuperação lenta , de até seis semanas após o procedimento, impedindo o paciente de retornar ás suas atividades rapidamente.

O LASER Fracionado surgiu como uma opção de tratamento com o resultado semelhante aos LASERs ablativos já descritos, mas sem os efeitos colaterais e o pós- operatório complicados que os Lasers ablativos apresentam.

O LASER de CO2 Fracionado é utilizado para melhoria de rugas periorais e periorbitais, rugas finas, envelhecimento facial, fotoenvelhecimento, rugosidade fina da pele, aspereza da pele, cicatrizes de acne fibróticas, manchas provocadas pelo sol (melanose solar, lentigos, e efélides ou sardas) e alguns tumores benignos que comprometem a estética facial.

O príncipio do LASER fracionado é a criação de “colunas térmicas” (microzonas térmicas) de energia atravessando a pele, deixando entre essas colunas porções de pele não acometida, possibilitando uma cicatrização mais rápida á partir da pele saudável e consequentemente um pós-operatório melhor tolerado.

A energia que é emitida pelo LASER em colunas, além de agir diretamente sobre a pele envelhecida se propaga lateralmente e age mais amplamente sobre o tecido levando ao estímulo da produção de colágeno, uma das estruturas responsáveis pelo “turgor” e qualidade da pele. Quanto maior a energia do laser, maior a profundidade da coluna, assim consegue melhorar cicatrizes e rugas mais profundas, difíceis de serem alcançadas por outros métodos.

A recuperação do Laser Fracionado de Gás Carbônico ocorre em aproximadamente uma semana, mas alguns cuidados são necessários. A pele apresenta uma descamação leve como se tivesse sido queimada pelo sol, e permanece um pouco avermelhada por até 2 semanas. A exposição ao sol deve ser realizada com cuidado e no dia - a – dia é necessário o uso de protetor solar, pois essa nova pele recuperada e ainda em cicatrização está mais sensível e passível de manchar com maior facilidade.

O LASER fracionado é uma importante ferramenta para o rejuvenescimento, devemos no entanto nos lembrar que existem riscos. Não é indicado para todos os tipos de pele e complicações podem surgir. Uma avaliação cuidadosa por médico habituado com o uso de LASERs é necessária e as expectativas de cada paciente devem ser adaptadas para as reais possibilidades do método, que é muito eficiente, mas como tudo em estética humana , não é mágico.

Deve ser discutido com o seu médico o resultado esperado, e o que a técnica pode permitir, não criando falsas expectativas. E finalmente o LASER fracionado deve ter a indicação correta e personalizada , pois cada paciente tem os problemas estéticos que dependem de vários fatores, como tendência genética, exposição solar exagerada sem fotoproteção, envelhecimento e outros. As vantagens e riscos de todos os procedimentos realizados sempre devem estar claros para os paciente, para permitir a mais correta decisão em seu benefício.

Peeling Químico

O peeling químico é um procedimento usado para remover as camadas mais superficiais da pele com o intuito de acelerar a renovação celular e obter uma nova pele melhor do que a anterior.

Estes podem ser superficiais, quando apenas as camadas mais externas da pele são atingidas, médios ou profundos quando alcançam camadas mais profundas.

A profundidade é determinada em função da patologia a ser tratada.

Manchas escuras de causas diversas, rugas finas, envelhecimento induzidos pelo sol (Fotoenvelhecimento), acne (alguns casos), estrias são boas indicações para os peeling superficiais e médios.

Vários são os agentes usados como ácido retinóico, ácido glicólico, ácido pirúvico, ácido tricloroacético, ácido salicílico, resorcina e fenol em concentrações que variam com a profundidade desejada no peeling. A associação de dois ou mais agentes também é possível.

Quanto mais superficial é o peeling, menores são os riscos de complicações e mais rápida é a recuperação da pele, porém os resultados são menores.

As pessoas de pele mais clara são as que mais se beneficiam. A mais morenas têm um risco maior de manchas e até agravamento das lesões a serem tratadas.

Muitas vezes é necessário um preparo prévio da pele com cremes à base de ácido retinóico, ácido glicólico e substancias clareadoras associadas à fotoprotetores potentes no período 4 a 6 semanas que antecedem o peeling.

Os cuidados pós-peeling são específicos para cada caso. Evitar ao máximo a exposição ao sol e uso de fotoprotetores é uma exigência obrigatória por cerca de 30 a 60 dias devido aos efeitos danosos da luz na pele em cicatrização.

Nos peeling médios quase sempre é necessário o afastamento do paciente das suas atividades profissionais e sociais por 5 a 7 dias e nos peelings profundos de fenol ( à semelhança dos peelings profundos a laser ) o tempo de afastamento gira em torno de 15 a 30 dias.

A maioria dos peelings são procedimentos simples, realizados em consultórios. Os peeling de fenol e os mais fortes de ácido tricoroacético (TCA) requerem cuidados especiais e anestésicos em creme.No dia seguinte ao peeling, a pele pode ficar levemente rosada.Dois dias após, começa uma fina descamação, da cor da pele, que dura de 3 a 5 dias.

Nos dias subsequentes ao peeling químico, é necessário limpar bem a pele, com detergentes leves, usar pomada à noite, quando indicado; evitar a manipulação da crosta e usar filtro solar. Sempre ocorrerá a formação de uma crosta, que será mais fina ou mais espessa dependendo da profundidade do peeling. Esta crosta (casca) não deve ser arrancada e, sim, sair naturalmente. O cuidado com o sol é imprescindível durante, pelo menos, um mês após peeling.

Os resultados começam a ser percebidos logo após o primeiro peeling com a sensação de melhora da textura da pele, que fica mais lisa. Com a continuação do tratamento, melhoram, também, as manchas e rugas finas.

O peeling químico é considerado, atualmente, um método seguro e eficaz para o tratamento de várias alterações, principalmente, o envelhecimento. Sua indicação é médica e o paciente deve entender todo o processo pelo qual vai passar e os cuidados pré e pós- procedimento.

O peeling químico vem, definitivamente, incorporar-se ao arsenal terapêutico dos médicos, que trabalham com a medicina estética.

Preenchimentos Faciais

O Preenchimento é usado para as rugas, nas regiões onde o a ação muscular é importante e não pode ser abolida com a Toxina Botulínica, como é o caso do sulco que vai do nariz até o canto da boca.

Além disso as técnicas de preenchimento são também usadas associadas à Toxina Botulínica quando as rugas de expressão são muito antigas e já marcaram muito a pele.

Várias substâncias tem sido usadas, como o polimetilmetacrilato e o ácido hialurônico. O tratamento é simples e consiste na injeção destes produtos nos sulcos e rugas da face tornando-os mais rasos e dando ao rosto uma aparência mais jovem.

Indicado para:

• Rugas superficiais

• Rugas médias e profundas

• Rugas muito profundas

• Pés de galinha

• Contorno dos lábios

• Contorno da face

• Aumento dos lábios o

• Aumento de volume

• Linhas periorais

Toxina Botulínica

A Toxina Botulínica impede a transmissão do impulso elétrico entre o nervo e o músculo (bloqueando a liberação de acetilcolina). Com isso o músculo é paralisado.

Sua no campo da estética deve-se ao fato de que as rugas dinâmicas da face (pés de galinha, rugas da testa ou entre as sobrancelhas) são devidas à contração muscular. Logo, se paralisados os músculos que as produzem, não haverá mais formação de rugas!

São nestes músculos específicos que o médico aplica a Toxina Botulínica, através de uma injeção de agulha extremamente fina.

A aplicação é rápida e pouco dolorosa. A paralisação muscular ocorre após 48 horas, se mantém em média por seis meses e não deixa o paciente sem expressão facial.

A volta da ação muscular, e portanto das rugas, ocorre devido à reinervação do músculo e depende de características imunológicas próprias de cada paciente.

Entre as poucas contra-indicações estão doenças neurológicas, alergia ao produto, gravidez e o uso de alguns antibióticos específicos.

Por ser de aplicação rápida, proporcionar grande atenuação das rugas dinâmicas com resultados quase que imediatos, a Toxina Botulínica tornou-se um tratamento muito procurado no campo da medicina estética facial.

Tratamento Estético de Varizes

Os famosos "vasinhos" ou telagectasia são pequenos vasos sangüíneos tortuosos, dilatados, que tornam-se visíveis. Apresentam diversos diâmetros e, às vezes, podem produzir dor e desconforto.

Múltiplos fatores estão envolvidos como causa do seu aparecimento, mas antecedente familiar parece ser o principal. Outros fatores relacionados são o uso de pílulas anticoncepcionais, gravidez, terapia de reposição hormonal e trauma local.

Alguns vasos podem reabrir após algum tempo e tornarem-se visíveis novamente. Às vezes é necessário retratá-los. O uso de meias elásticas previne esta ocorrência.

O tratamento depende da extensão do quadro e do diâmetro dos vasos. Vasos até 2 mm de diâmetro apresentam ótima resposta a escleroterapia. Nos demais casos o tratamento geralmente é cirúrgico.

A escleroterapia é realizada através de uma agulha muito fina onde injeta-se uma substância "irritante" no interior dos vasos. Após algumas semanas este vaso seca e desaparece.

Embora a escleroterapia seja um método bastante seguro, está contra-indicada em pessoas com doença vascular secundária ao diabete, história de embolia pulmonar ou trombose venosa profunda, gravidez e pressão alta sem controle.

Pode ocorrer pequenas erosões e coloração acastanhada no local das injeções. Além disto, alguns vasos podem ficar dolorosos por alguns dias.