Imanishi

Cirurgia Plástica

Dr. Marcelo Imanishi

Membro da Sociedade Brasileira da Cirurgia Plástica

Membro da Associação Médica Brasileira

Membro da International Society of Aesthetic Plastic Surgeons


CRM-MG: 31932

Conheça o Dr. Marcelo Imanishi

imanishi

Dr. Marcelo Imanishi teve sua formação como cirurgião plástico na cidade de Santos-SP, no serviço de Cirugia Plástica "Dr. Ewaldo Bolivar de Souza Pinto" pela Universidade Santa Cecília. Como mentores, entre uma vasta equipe de profissionais de exelente qualidade, teve o próprio Dr. Ewaldo Bolivar, ex-aluno do Prof. Ivo Pitangy , cirurgião de renome nacional e internacional e o Dr. Osvaldo Saldanha, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (biênio 2006-2007), famoso principalmente pela técnica revolucinária da lipoabdominoplastia.

Foi marcante a sua atividade cientifica, com várias participações em congressos e jornadas, alem de publicações em revistas e livros.

Além disso pode acompanhar serviços de renome como o de cirurgia plástica do Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio Faciais da Universidade de São Paulo – HRAC-USP na cidade de Bauru-SP; O Serviços de Queimados do Hospital João XXIII na cidade de Belo Horizonte-MG; no serviço de Cirurgia Craniofacial do Hospital São Joaquim da Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência na cidade de São Paulo - SP; no Serviço de reconstrução mamária do Hospital Prof. João Sampaio Góes Júnior – Entidade Camiliana pelo Instituto Brasileiro de Controle ao Câncer – IBCC – na cidade de São Paulo – SP, entre outros.




Marcelo Imanishi M. D., had his way as Plastic Surgeon in the city of Santos-SP, on the Plastic Surgery Division "Dr. Ewaldo Bolivar de Souza Pinto” at the University Santa Cecília. As mentors, has, among a wide team of professionals from excellent quality, had the Priority Dr. Ewaldo Bolivar, a former student of Professor Ivo Pitangy .D., surgeon of national and international reputation and Osvaldo Saldanha M.D., former president of the Brazilian Society of Plastic Division (2006-2007), famous especially for Revolutinary techinic of Lipoabdominoplasty.

It marked his scientific activities, with conferences and seminars, in addition to publishing, also magazines and books.

Besides he could follow well-Know works like Plastic Surgery from Rehabilitation of Craniofacial Anomaly of Division of the Hospital of The University of São O Paulo HRAC-USP in Bauru-SP, the servant The Hospital of the Burns of João XXIII in the city of Belo Horizonte-MG; the service of Craniofacial Surgery, in the Hospital São Joaquim ( Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficencia) in the city of São Paulo - SP; on Service of the Breast reconstruction of the Hospital Prof. João Sampaio G.Jr -Entity Camiliana by the Brazilian Institute for the Control of Câncer – IBCC- in the city of São Paulo, SP, among others.

Abdominoplastia

A região abdominal é um dos principais focos estéticos da população em geral. Com o passar dos anos e as gestações, a tendência na grande maioria dos casos é a ocorrência de uma importante perda estética na região. As principais alterações encontradas são: acumulo de gordura, estrias principalmente na região abaixo do umbigo, flacidez abdominal e alargamento da musculatura do abdome (Diastase).

Nos casos em que existe somente um pequeno acumulo de gordura sem estrias ou flacidez abdominal, a lipoaspiração isolada consegue trazer bons resultados. As mulheres que possuem alem de acumulo gorduroso, estrias e flacidez abdominal, são candidatas à cirurgia de abdome.

Nos últimos dois anos a cirurgia do abdômen sofreu uma grande revolução com a criação do lipoabdominoplastia, criada pelo cirurgião plástico Dr. Osvaldo Saldanha, Ex- presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e regente do Serviço de Cirurgia Plástica Ewaldo Bolivar de Souza Pinto, da qual o Dr. Marcelo teve o prazer de ter feito a sua especialização, inclusive teve a sua colaboração na divulgação e consagração da tecnica. A grande mudança foi à associação da lipoaspiração superficial com a técnica do abdômen clássico.

Procedimento Cirúrgico:

Os tipos de anestesia mais usados para lipoabdominoplastia são a geral ou a peridural. Neste procedimento é realizada uma lipoaspiração completa de todo abdômen, retirando toda gordura em excesso, em seguida é retirado à pele abaixo do umbigo que normalmente encontra – se em abundância e com estrias.

O passo seguinte é a aproximação dos músculos retos do abdômen (que se afastam durante a gravidez), devolvendo a cintura perdida. Esta técnica inovadora conseguiu um salto de qualidade estético com um aumento na segurança cirúrgica, associação buscada há décadas para a cirurgia do abdômen.

A lipoaspiração solta a pele da região supra umbilical sem a necessidade de cortar a camada de gordura e pele do músculo. Desta forma a pele permanece com toda sua irrigação sanguínea dificultando a ocorrência de casos com sofrimento de pele. Os veias e vasos linfáticos também não são cortados, fator que favorece o “inchaço” diminuir mais rapidamente. A preservação dos nervos faz com que seja preservada a sensibilidade da pele na região abaixo do umbigo com maior facilidade.

Pós-operatório:

O período de recuperação também costuma ser mais curto e com melhor qualidade. Normalmente os drenos são utilizados por um período máximo de três dias. Usualmente não é necessário manter a postura curvada e as atividades diárias leves são restabelecidas entre sete e quinze dias. Como medida auxiliar se recomenda o uso de malhas compressivas por dois meses. Drenagem linfática deve ser realizada precocemente.

Lipoaspiração / Lipoescultura

A lipoaspiração é uma técnica recente, desenvolvida em 1979, e de fácil execução. Consiste em aspirar depósitos de gordura localizados que não cedem com dietas ou exercícios, causando problemas físicos e psicológicos. Não se trata de uma cura para a obesidade. É preferencialmente indicada para pacientes com peso relativamente normal, pele de boa elasticidade e boa consistência do tecido celular subcutâneo. Nesses casos, a lipoaspiração produz resultados gratificantes. É uma técnica que pode ser usada isolada ou associada a outras mais complexas, como ritidoplastia e a abdominoplastia. As partes do corpo mais indicadas para a lipoaspiração são: quadris, coxas, nádegas, abdômen, braços, joelhos, panturrilhas, parte superior do dorso, pescoço e abaixo do queixo.

Procedimento Anestésico-Cirúrgico

A anestesia utilizada na lipoaspiração pode ser local, peridual ou geral, dependendo da extensão da área a ser aspirada, mas nós preferimos sempre a anestesia mista (combinação da anestesia geral com infiltração local). Através de incisões menores que um centímetro, o cirurgião introduz uma cânula ligada a um aspirador especial, com alta pressão de vácuo. Por baixo da pele, o cirurgião separa a quantidade de gordura a ser removida, aspirando-a em seguida, tendo sempre o cuidado de deixar uma pequena porção de gordura, necessária ao organismo. A seguir, pequenas suturas fecham as incisões, deixando cicatrizes mínimas e em geral escondidas. O ato cirúrgico tem duração média de 45 minutos a 3 horas

Pós-operatório

O tempo de internação é de, no máximo, 24-48 horas. Durante 60 dias, o paciente deve usar uma cinta especial, para manter a compressão e reduzir o inchaço e as manchas. Por alguns dias, pode haver dor e sensação de adormecimento ou desconforto, que aos poucos desaparecem. Um analgésico comum pode eliminar a dor. Durante cinco dias, é recomendável repouso relativo, em que se deve alternar períodos em posição sentada e deitada. As manchas costumam desaparecer até a 3a semana e, o inchaço, da 6a à 8a semanas. A exposição ao sol é permitida após o 3º mês, sempre de forma gradativa e com filtro solar. Após 30 dias, já é liberada a prática de exercícios moderados. A drenagem linfática é fundamental e iniciada precocemente e em alguns casos até no pré-operatório.


Lipoaspiração Superficial

Esta é uma técnica introduzida pelo renomado cirurgião Dr. Ewaldo Bolivar de Souza Pinto (com quem Dr. Marcelo teve o prazer de aprender em seu serviço de residência médica), que difere da lipoaspiração comum. As cânulas são inseridas na camada gordurosa superficial, sob a pele, produzindo melhores resultados em casos de celulite, por exemplo. A lipoaspiração superficial dá um melhor contorno corporal, pois a pele se acomoda melhor.


Lipoescultura

A cirurgia consiste na lipoaspiração de todo contorno corporal e possibilidade de se fazer uma lipoenxertia para potencializar as formas do corpo, como por exemplo gluteos e face.

Mamoplastia Redutora

Além de comprometer a aparência geral, seios muito grandes e pesados costumam provocar desconforto físico, como dor nos ombros, pescoço e costas. A paciente decidirá junto com seu médico, o tamanho e o contorno que deseja para seus seios após a cirurgia. Além disso, deve estar ciente dos riscos potenciais - embora incomuns - relacionados a esse tipo de intervenção, das possíveis complicações pós-operatórias e do processo de cicatrização.

A mastoplastia redutora também corrige a flacidez dos seios, dando-lhes nova consistência.

O cirurgião deve sempre buscar um equilíbrio entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax, para chegar a um resultado esteticamente mais harmônico.

Procedimento Cirúrgico

As várias técnicas utilizadas na mastoplastia redutora variam em função de cada caso. A tendência atual é a de deixar cicatrizes cada vez menores, o que naturalmente vai depender do tamanho das mamas. As incisões podem ser em forma de T, L, I ou O, sempre na metade inferior da mama.

É feita também uma incisão ao redor da aréola, com o objetivo de reposicionar o mamilo e eventualmente reduzir seu tamanho. Pelas incisões são retirados os excessos de pele, tecido glandular e gordura. Em seguida, é feito o remodelamento dos seios e reposicionamento dos mamilos. A anestesia usada nesse tipo de cirurgia é a geral.

Pode-se também associar o uso de próteses de silicone, dependendo de cada caso.

Mastopexia

O objetivo da mastopexia é o de levantar as mamas caídas e flácidas, que sofreram a ação do tempo ou perderam volume em conseqüencia da gravidez, e lhes proporcionar um melhor contorno e consistência. Eventualmente, pode-se reduzir o tamanho da aréola. A forma e o tamanho das novas mamas devem ser detalhadamente discutidos com o médico antes da cirurgia. Os cuidados no período pré e pós-operatório da mastopexia são basicamente os mesmo da mastoplastia redutora.

Procedimento Cirúrgico

As incisões são feitas seguindo os contornos naturais da mama e ao redor da aréola. A nova localização do mamilo é determinada por uma pequena incisão localizada acima da aréola. O excesso de pele da parte inferior da mama é retirado por incisões horizontais. O mamilo é então reposicionado e os retalhos remanescentes de pele são reagrupados para remodelar a mama. Como na mastoplastia redutora, as cicatrizes da mastopexia se localizam na metade inferior do seio, permitindo o uso de blusas e biquínis decotados. Pode-se associar ou não à utilização de próteses de silicone, dependendo de cada caso.

Prótese Mamárea

O Implante Mamário é uma técnica cirúrgica de aumento da mama e modelagem do seio que vem como resposta a problemas como:

- Harmonizar o contorno do corpo feminino, no caso da paciente achar seu seio pequeno demais;

- Diminuição do volume do seio após a gravidez;

- Diferença de tamanho muito grande entre os seios;

- Necessidade de uma reconstrução mamária.

Indicação

A cirurgia de implante mamário pode melhorar sua aparência e sua auto-confiança, mas nao levará necessariamente as pessoas a tratá-lo diferentemente. Antes de você decidir fazer a cirurgia é importante analisar suas espectativas e discutir sobre elas com o seu cirurgião. Os melhores candidatos para a cirurgia de aumento dos seios são mulheres fisicamente saudáveis, psicologicamente estáveis, e realistas em suas espectativas. A maioria dos cirurgiões fazem esta cirurgia somente a partir dos 16 anos de idade, quando o seio feminino tem seu desenvolvimento completo.

Recuperação

Um incomodo pós-cirúrgico nos seios pode ocorrer, mas duram em média de vinte e quatro a quarenta e oito horas e podem ser controlados com medicamentos prescritos pelo cirurgião. Em poucos dias após a cirurgia os curativos que foram colocados ao término da operação podem ser retirados pelo médico, porém o sutiã ciúrgico deve continuar a ser usado. Pode acontecer uma sensação de ardência nos mamilos durante as suas primeiras semanas, mas com a evolução da cicatrização esta sensação desaparecerá.O paciente provavelmente poderá retornar ao trabalho em poucos dias após a cirurgia, mas isto irá depender também do nível de atividade necessário para o trabalho.

É muito importante que as advertências médicas quanto ao retorno normal das atividades sejam observadas e respeitadas, pois seus seios estarão muito sensíveis. Inclusive as atividades sexuais, que devem ser suspensas em média por quatro semanas.

Provavelmente as cicatrizes estarão firmes e rosadas em seis semanas, mas tendem a permanecer do mesmo tamanho durantes vários meses, depois começam a murchar, porém não desaparecendo completamente. Os exames períodicos de Mamografia devem ser seguidos normalmente para as mulheres que se encaixam na faixa-etária de indicação. Porém o técnico deve usar uma técnica especial que garanta uma leitura de confiança.

Ginecomastia

A ginecomastia, ou desenvolvimento excessivo de mamas nos homens é um problema que costuma constranger o indivíduo. A cada dez homens que procuram a Cirurgia Plástica, três são portadores de ginecomastia. Poucos sabem que essa imperfeição pode ser solucionada por uma intervenção cirúrgica simples, que não requer nem internação hospitalar.

Existem três tipos de ginecomastia: a "verdadeira", a "mista" e a "falsa". A "verdadeira" é aquela provocada por uma hipertrofia benigna da glândula mamária. A "falsa", pelo excesso de tecido gorduroso localizado. A "mista" por sua vez resulta de uma associação dos dois fatores.

O crescimento excessivo da glândula mamária masculina decorre de um rompimento do equilíbrio hormonal que costuma ocorrer a partir da puberdade, já que, até a adolescência o desenvolvimento das mamas é igual para meninos e meninas. Com o início da secreção de hormônios masculinos, a glândula mamária se atrofia. Durante esse processo, pode haver um crescimento moderado das mamas, é um desequilíbrio considerado normal, desde que haja uma involução em um período de seis meses a dois anos. A ginecomastia pode ter outras causas, além das hormonais e glandulares, pode ser decorrente do consumo excessivo de álcool, drogas ou certos tipos de medicamentos, como os corticóides. É também um problema comum entre os idosos, devido à diminuição da produção de hormônios masculinos.

Depois de analisadas as causas primárias da doença, o médico avalia a necessidade ou não de cirurgia. Em geral, é a opção mais indicada devido aos problemas psicológicos e sociais que a ginecomastia costuma acarretar para o homem. Há várias técnicas cirúrgicas para o tratamento da ginecomastia. Quando se trata da ginecomastia "falsa", basta uma lipoaspiração. No caso da "verdadeira", o excesso de tecido glandular é retirado por uma incisão na aréola ou perto dela. Na ginecomastia "mista", usa-se a lipoaspiração para retirar a gordura e a incisão cirúrgica para a retirada do tecido glandular.

Gluteoplastia

É cada vez maior a procura de cirurgias de contorno corporal e a região glútea sempre merece atenção especial.

Nos últimos quinze anos as intervenções de contorno corporal evoluíram muito, principalmente pelo advento da lipoaspiração superficial, criação de cânulas especiais para o tratamento de celulite, implantes, cuidados pós-operatórios e, sobretudo técnicas especificas para esta região.

Quando é realizado um procedimento cirúrgico é necessário observar a harmonia do contorno corporal. Não é possível separar um segmento corporal dos outros. A observação de uma área apenas pode comprometer o resultado final. É necessário um rigoroso estudo de todo corpo antes de realizar qualquer abordagem sobre o contorno corporal, mesmo em áreas limitadas.

O melhor exemplo é a cirurgia para melhorar o aspecto da região glútea. Muitas pacientes reclamam de uma progressiva diminuição do volume, queda ou até mesmo de celulite. Em primeiro lugar é necessário ter a idéia de que os tecidos que se situam ao redor dos glúteos têm uma tendência de, progressivamente, acumular gordura. Esse processo faz com que, aparentemente, as nádegas fiquem menores. Realizando uma lipoaspiração nas áreas circunvizinhas (abdômen, culotes, área sacral e região da cintura) o efeito conseqüente, é um aumento aparente da região glútea.

De acordo com a avaliação pré e trans operatória é possível ainda utilizar a gordura retirada das outras áreas para realizar um enxerto glúteo que projetará ainda mais a região e ainda corrigirá graus variáveis de queda. Também é possível diminuir a celulite de forma expressiva com a utilização de cânulas especiais que liberam as fibroses responsáveis pela celulite. A paciente deve ainda realizar um tratamento fisioterápico complementar pós – operatório para alcançar um melhor resultado. Existe ainda a opção da utilização de implantes de silicone desenvolvidos especialmente para a região glútea. Esta técnica é principalmente indicada para pacientes magras, sem tecido doador de gordura. O criterioso estudo de cada caso vai indicar o melhor caminho a ser seguido. A cirurgia do contorno glúteo pode ser considerada como um dos procedimentos que traz maior satisfação as pacientes.

Cirurgia das Coxas

O contorno da face interna das coxas é relevante em países nos quais o clima propicia a exposição de forma freqüente das próprias pernas e do corpo. O processo natural do envelhecimento e as grandes variações de peso, influenciados pela ação hormonal, podem gerar depósitos de gordura localizada na face interna das coxas. É justamente nesses casos que a cirurgia plástica de coxas pode ser indicada. Além disso, pode haver flacidez de pele no local. Estas alterações podem ter como resultado assaduras e, sobretudo desconforto estético, influenciando os hábitos de lazer realizados ao ar livre. A cirurgia plástica das coxas, ou dermolipectomia de coxas, visa retirar o excesso de pele, proporcionando um contorno da coxa mais natural e menos flácido.

Para cada caso, conforme o tipo de alteração presente na face interna das coxas, existe uma determinada técnica cirúrgica a ser escolhida. Em pacientes com gordura localizada e sem flacidez de pele, a lipoaspiração pode ser suficiente para harmonizar o contorno local. No entanto quando a flacidez de pele é significativa, pode ser necessário realizar o lifting crural (coxas) para que os resultados sejam os melhores. Nestes casos, a utilização exclusiva da lipoaspiração tenderá a acentuar a flacidez, sendo assim não indicada. O lifting crural é realizado através de incisões cujos tamanhos variam e que se localizam exatamente na prega inguinocrural (sulco da virilha). Após determinar e remover os excessos de pele da face interna das coxas, o cirurgião plástico deve realizar o fechamento da incisão com muito cuidado para evitar que ocorra alargamento da cicatriz durante o pós-operatório e distorções da região genital. É natural que a extensão das cicatrizes seja diretamente proporcional ao grau de flacidez presente. De qualquer forma, esta cirurgia deve ser indicada com extremo cuidado, já que as cicatrizes resultantes nem sempre compensam a melhora obtida em termos de contorno.

Quais os resultados possíveis com uma cirurgia plástica de coxas?

Em primeiro lugar vale lembrar que nos primeiros meses, a raiz da coxa apresenta uma relativa insensibilidade, além de estar sujeita a períodos de edema, o qual regride de forma espontânea. Com o passar do tempo (alguns meses), tendo sido iniciado o processo de drenagem linfática, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. É importante ressaltar que não se deve considerar como definitivo qualquer resultado antes de 6 a 12 meses de pós-operatório. Também deve ser salientado que a correção do excesso de gordura localizada na região depende do tipo físico e volume de gordura localizada. Também é relevante a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo. Dependendo do caso, poderá ser associada uma lipoescultura no local junto com a dermolipectomia ou previamente. O resultado definitivo da dermolipectomia é atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz. No entanto, deve ser dito que ele não é definitivo. Dura em média cinco anos e como toda lipoaspiração é indicada a manutenção do peso para haver maior durabilidade. A cicatriz resultante de uma dermolipectomia de coxa localiza-se obliquamente na prega inguinocrural (virilha), estendendo-se posteriormente até o sulco subglúteo. Ela apresentará maior ou menor extensão dependendo do volume de pele excedente a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar escondida sob as roupas de banho.

Anestesia: a anestesia pode ser a peridural ou geral.

Tempo de Cirurgia: o tempo do ato cirúrgico ocorre em uma média de 3-4 horas.

Recuperação

Na recuperação de pacientes submetidos ao chamado lifting crural deve-se lembrar que é necessário permanecer em repouso absoluto por cinco a sete dias, evitando afastar as pernas em demasia. A higiene local deve ser muito cuidadosa durante este período para que sejam evitadas infecções nos locais das incisões. As caminhadas devem ser restritas em seu máximo durante o primeiro mês para que a cicatrização dos tecidos não sofra alargamento. Assim como na lipoaspiração, é recomendada a utilização de cintas apropriadas durante as primeiras 4 a 6 semanas, visando acelerar a reabsorção do inchaço e a obtenção do resultado final. Quando necessário, os pontos costumam ser removidos após 14-21 dias. As atividades físicas com intenso trabalho de pernas podem ser retomadas após cerca de 2 meses.Finalmente, procure não analisar o resultado da sua cirurgia precocemente.O resultado final pode ser apreciado somente com a acomodação total dos tecidos, que ocorre de forma típica após dois a quatro meses.

Próteses de Panturrilha

A cirurgia para colocação de implantes (próteses) na panturrilhas tem ganhado espaço progressivamente no universo da cirurgia plástica.

Está indicada para pessoas com pouco volume na região das panturrilhas, principalmente na parte interna e posterior das pernas.

O objetivo principal é promover aumento do volume das panturrilhas, com melhora do formato e da proporção entre as coxas e as pernas.

É realizada uma incisão (corte) na região posterior da perna, na dobra entre a perna e a coxa (fossa poplítea); descolado um espaço acima do músculo; inserido o implante; realizada sutura da incisão realizada.

O volume dos implantes varia de caso para caso, devendo haver escolha entre o paciente e o cirurgião, baseada nas dimensões pré existentes da panturrilha.

Os cuidados pós-operatórios incluem:

• cuidados com as cicatrizes;

• repouso por período de 21 a 30 dias;

• uso de malha compressiva.

Cirurgia dos Braços

A parte posterior dos braços é uma região normalmente pouco exercitada, daí a tendência a acumular gordura, associada com flacidez e perda muscular. A flacidez desta região ocorre principalmente por envelhecimento e emagrecimento, afetando mais as mulheres a partir dos 45 anos.

A prática de exercícios regulares e direcionados aos músculos desta região melhoram bastante o aspecto estético dos braços, porém, se a flacidez já estiver em um grau muito elevado, os exercícios não irão resolver, sendo a cirurgia plástica dos braços a única alternativa para melhorar a aparência estética deste local que tanto incomoda a maioria das mulheres.

A plástica de braço recebe o nome de dermolipectomia braquial ou braquioplastia. É uma cirurgia na qual deve-se avaliar a relação custo-benefício. Ou seja, se a pessoa está incomodada com o aspecto antiestético dos braços, deve decidir se faz a cirurgia, sabendo que está trocando a flacidez por uma cicatriz em uma região relativamente aparente. Embora a cicatriz seja demarcada para ficar na face interna, sempre irá aparecer ao levantar os braços.

Para quem tem braço gordo, sem flacidez e ainda é jovem, a melhor indicação é a lipoaspiração, já que a retração da pele na juventude é boa. A lipoaspiração porém não é indicada em pessoas de mais idade, pois a retirada da gordura irá aumentar a flacidez da pele.

Nesta cirurgia, em situações mais simples, a remoção da pele pode ser feita por meio de uma incisão somente na axila. Quando há um maior excesso de flacidez, a cicatriz vai da axila até o cotovelo, sendo feita pelo lado interno do braço.

Esta cirurgia pode devolver toda a estética de seu braço, porem é muito importante ficar ciente de que trocará a flacidez antiestética por uma cicatriz que poderá ir do cotovelo até a axila.

Tanto a lipoaspiração como a braquioplastia podem ser realizadas com anestesia local e sedação ou então com anestesia geral. O período de internação é de 24 horas. Em alguns casos, pode-se sair no mesmo dia, a critério do cirurgião. O tempo cirúrgico é de 1 a 2 horas.

CUIDADOS PÓS – CIRÚRGICOS - A paciente deve usar uma cinta para sustentar os braços, alguns dias. Para amenizar a cicatriz, esta será tratada com cremes. Se a paciente só fez a lipoaspiração, está liberada para suas atividades normais a partir do 10º dia. No caso, da braquioplastia, isolada ou associada à lipo, só depois de 20 dias. Não pode dirigir, carregar peso ou levantar os braços, durante um mês. Sol, só depois de 90 dias.

Cirurgia Pós-Emagrecimento

A obesidade é hoje no mundo inteiro um problema de saúde pública. Em função de fatores genéticos e hábitos de vida a obesidade se tornou uma verdadeira epidemia.

A evolução dos métodos de tratamento cirúrgicos e não cirúrgicos propiciou a este tipo de paciente uma esperança maior de se ver livre desta grave doença.

A cirurgia plástica também se desenvolveu bastante nesta área e hoje a cirurgia plástica pós cirurgia bariátrica é uma verdadeira especialidade. O cirurgião plástico que se propõe a operar o paciente pós-cirurgia de emagrecimento precisa se especializar nesta área complexa da cirurgia plástica.

O paciente “ex-obeso” deve ser avaliado por equipe multidisciplinar e acompanhado durante todo o tratamento. Na nossa clínica oferecemos ao paciente no pós-operatório de cirurgia bariátrica as mais modernas tecnicas cirúrgicas para o tratamento das alterações causadas pelo aumento excessivo de peso e a sua redução após a cirurgia bariátrica.

Cirurgias realizadas:

• Lipoaspiração

• Abdominoplastia

• Mamoplastia

• Mamoplastia com prótese de silicone

• Braquioplastia (cirurgia de braços)

• Cirurgia de coxas (excessos cutâneos em coxas)

• Torsoplastia (dermolipectomia em cinto)

O paciente que será submetido a uma cirurgia plástica após a cirurgia de emagrecimento deverá preferencialmente realizar uma cirurgia de cada vez. O tipo de anestesia escolhido será o mais indicado para seu caso, podendo ser anestesia peridural, sedação ou anestesia geral. O intervalo entre uma cirurgia e outra deverá ser de aproximadamente 6 meses. Outra informação importante é que o paciente candidato à cirurgia plástica deverá estar com seu peso estável por um período de 6 meses.

Cirurgia Intima

A cirurgia plástica estética da genitália externa feminina é chamada de cirurgia plástica íntima.

O procedimento mais empregado é a correção da hipertrofia de pequenos lábios chamada de ninfoplastia. Alterações no volume dos grandes lábios também são corrigidas. Por falta de conhecimento, muitas pacientes consideram esta alteração uma característica pessoal e sem correção, outras mesmo incomodadas com o problema não se sentem seguras de buscar auxilio médico. A hipertrofia dos pequenos lábios pode acarretar desconforto durante o ato sexual, dificuldade para a correta higiene, constrangimento ao usar roupas mais apertadas ou de banho, também pode desencadear problemas psicológicos.

Atualmente é cada vez maior o número de mulheres que procuram correção para as “anormalidades estéticas intimas”. Este fato é conseqüência de uma maior divulgação das novas técnicas e procedimentos cirúrgicos e pela orientação dos ginecologistas às suas pacientes. Pode-se também realizar procedimentos como:

• Redução do monte de Vênus

• Aumento ou diminuição dos grandes lábios

• Estreitamento do canal vaginal (perineoplastia)

Cirurgia Reparadora

A cirurgia plástica reparadora tem como objetivo reparar o que está defeituoso e a reconstrutiva reconstruir o que está ausente, levando-se em conta sempre o aspecto estético. Por esta razão, torna-se difícil separar a cirurgia estética da reparadora e reconstrutiva, por esta razão e pelo fato de englobar uma ampla gama de cirurgias, é a área da cirurgia plástica onde se têem os maiores desafios técnicos.

As cirurgias plásticas reparadoras e reconstrutivas mais frequentes incluem: cirurgia de mão, reconstruções de regiões afetadas pelo câncer, como as reconstruções de mamas e de face, tratamento da paralisia facial, reconstruções de orelha, cirurgia crânio-maxilo-facial, que incluem as síndromes congênitas e as fissuras faciais e lábio-palatinas (conhecido como labio leporino), reconstruções pós-traumas diversos, tratamentos de tumores de pele e tratamento de pacientes vítimas de queimaduras (tratamento agudo e de sequelas da queimadura), tratamento de cicatrizes patológicas (quelóides e cicatrizes hipertróficas), entre outras.

Devido a complexidade do assunto, colocamo-nos a disposição para esclarecimentos de perguntas.

Cirurgias na Face

Blefaroplastia (Cirurgia das Pálpebras)

A cirurgia realizada nas pálpebras é um dos procedimentos mais realizados em cirurgia plástica. Consiste na correção cirúrgica do excesso da pele e das bolsas de gordura nas pálpebras, que dão um ar envelhecido ao paciente. Em geral, começam a aparecer por volta dos 30 anos, mas há pessoas cuja predisposição hereditária favorece seu aparecimento precoce. É importante o paciente saber que o efeito da plástica de pálpebra é localizado, e não proporciona o rejuvenescimento do rosto. Isto só será possível se blefaroplastia for realizada em associação com outras técnicas, como o lifting, por exemplo, cujo objetivo é eliminar as rugas.

Na plástica de pálpebras,salvo raras exceções, as cicatrizes costuman ser praticamente imperceptíveis. Após a total cicatrização, o que ocorre por volta do terceiro mês, elas ficam praticamente escondidas entre os sulcos naturais da pele. Antes disso, podem ser disfarçadas por maquiagem.


Procedimento Cirúrgico

Retira-se uma quantidade de pele em forma de elipse das pálpebras superiores, e as bolsas de gordura que se formam tanto nas pálpebras superiores quanto inferiores (em geral, duas na parte superior e três na inferior). A localização e a forma da incisão elíptica podem variar em relação ao canto dos olhos, de acordo com o objetivo do cirurgião e sua sensibilidade artística. A quantidade de pele retirada varia de paciente para paciente, mas é sempre maior nas pálpebras superiores. A anestesia usada para esse tipo de cirurgia é a local, aliada a um leve sedativo para deixar o paciente mais calmo. Há casos em que o paciente vai para casa logo após a operação, sendo recomendável que fique em repouso por algumas horas, para que o inchaço seja menor.


Ocidentalização das pálpebras orientais

A ocidentalização das pálpebras tem sido nos últimos 50 anos, uma das cirurgias plásticas mais procuradas pela população jovem dos países orientais, com finalidade de se obter um toque mais harmonioso à face.

O contato dos povos orientais com a cultura e povos da Europa e Estados Unidos, deu início a uma era de intercâmbio cultural, comercial e industrial, trazendo como conseqüência mudanças nos padrões de vida, nos costumes e nos valores estéticos.

O povo oriental sempre foi vaidoso, bastante preocupado com a estética, com o belo, com a harmonia entre o homem e a natureza. Os cuidados com a própria beleza sempre foram motivo de busca constante.

A ocidentalização estética tem no Japão e na Coréia do Sul a popularidade da lipoaspiração no Brasil. Por aqui também está causando furor. Estima-se que 14.000 pessoas, sobretudo em São Paulo e no Paraná, submetam-se a cirurgias de ocidentalização a cada ano, o dobro do que acontecia no início dos anos 90. Metade dessas intervenções médicas é para criar a dobrinha sobre os olhos.

A cirurgia plástica é relativamente simples e rápida. Consiste em retirar parte da gordura existente nas pálpebras superiores e, na maioria das vezes, também de uma tirinha fina de tecido muscular para eliminar o aspecto inchado, típico dos rostos orientais. Depois, é feita uma "dobrinha" em cima dos olhos.

Os cuidados pré- operatórios começam com uma avaliação cuidadosa para se indicar com precisão a cirurgia para cada indivíduo, devendo- se avaliar a presença de pregas uni ou bilaterais, sua altura e comprimento, a espessura das pálpebras, na assimetria, no formato, nos tamanhos de fenda palpebral, assim como a inserção e altura dos ligamentos cantal medial e lateral, na presença de cicatrizes e de presença de problemas visuais.

Após acurada avaliação estética o procedimento é realizado com anestesia local com leve sedação em ambiente cirúrgico, com duração do procedimento de aproximadamente 1 hora.

Os cuidados pós- operatórios são de repouso por uma semana com recuperação para atividades em poucos dias.


Ritidoplastia (Lifting Facial)

Com o passar dos anos, a pele do rosto, igualmente às outras regiões do organismo, perde elasticidade e turgor, apresentando um excesso. Este excesso, devido à ação da gravidade, é tracionado para baixo, tronando-o mais evidente (sulco nasolabial, região cervical), bem como deslocando também para baixo as demais estruturas da face (região malar, bolsas palpebrais, etc).

O aspecto de face envelhecida não está relacionado apenas com a quantidade de pele, mas também com a qualidade da pele, a qual pode estar danificada pelos efeitos do sol e pela ação constante da musculatura facial , deixando as conhecidas rugas (ritides) na face, encontradas principalmente na testa, região labial, ao redor do olhos, etc.

A proposta da cirurgia, portanto, é remover o excesso de pele, reposicionando (“suspendendo”) a pele e as estruturas da face, revertendo parcialmente esse aspecto de envelhecimento. O tratamento pode ser de toda a face ou restrito a determinados segmentos, como por exemplo, região frontal, terço médio ou região cervical (pescoço). A cirurgia pode ser realizada sob anestesia local associada à sedação ou sob anestesia geral, de acordo com as convências e indicações particulares a cada pacientes.

O tempo de internação varia de 12 a 24 horas, podendo, em alguns casos, ser estendido de acordo com as condições de recuperação do paciente. O paciente recebe alta sem os curativos ou drenos.

Após a cirurgia há sempre edema (inchaço) e equimoses (roxidão), os quais variam em intensidade e que regridem aproximadamente entre 2 a 3 semanas. A recuperação é indolor, ficando a sensibilidade reduzida por um certo período na área operada, ocorrendo recuperação total com o passar do tempo.

O resultado definitivo é alcançado aproximadamente após 6 meses da cirurgia, pois esse é o período médio em que se completa o processo de cicatrização. Como qualquer procedimento cirúrgico, podem ocorrer algumas complicações como: hematoma, deiscência (abertura de pontos), alterações da cicatrização, sofrimento de pele, infecção. O preparo pré-operatório adequado associado aos cuidados pós-operatórios recomendados são fundamentais para evitá-las.

É importante lembrar que todas as possíveis complicações são mais frequentes em pacientes fumantes, sendo fundamental suspender o tabagismo por pelo menos 14 dias antes e após a cirurgia.


Mentoplastia

Um queixo bem posicionado é fundamental para a harmonia do rosto. Deve estar em equilíbrio com a boca, o nariz e a fronte. A Cirurgia Plástica oferece soluções para casos de queixos retraídos ou avançados, visando proporcionar um perfil mais agradável do ponto de vista estético. Além disso, elimina a impressão de queixo duplo. O tipo mais comum de mentoplastia visa a correção do queixo retraído (para trás), através da colocação de uma prótese de silicone entre o osso e os músculos do queixo. As peças são pré-moldadas e estão à disposição em vários tamanhos conforme a necessidade de cada paciente. O silicone, em sua forma sólida, vem sendo empregado com sucesso na Cirurgia Plástica há 25 anos. Trata-se de uma substância inofensiva ao organismo, sem ação cancerígena. Raros são os casos de rejeição à peça, e na maioria das vezes estão associados a traumatismos, hemorragias ou infecções ocorridas durante o pós-operatório.

Procedimento Cirúrgico

A mentoplastia é uma cirurgia bastante simples, iniciada a partir de uma pequena incisão feita por dentro da boca ou na parte inferior do queixo, por onde é introduzida a prótese. A anestesia local é a mais indicada para a plástica de queixo. Caso a mentoplastia esteja associada a outras cirurgias, o cirurgião poderá optar pela anestesia geral.


Otoplastia (Orelhas em Abano)

As orelhas em abano são os defeitos congênitos mais comuns que acometem as orelhas. Nem todos os problemas de orelhas em abano são iguais, existindo um grande numero de variações nos defeitos que podem acometer as diferentes estruturas do pavilhão auricular.

A cirurgia de orelhas em abano (otoplastia) corrige as orelhas proeminentes, que apesar de não prejudicarem a audição, causam grande desconforto emocional para as pessoas que as tem.

A solução para esse problema é remover a pele de trás da orelha e cortar a cartilagem, para que ela se dobre na posição desejada. Atualmente, com as técnicas mais desenvolvidas, é possível realizar a diminuição do tamanho da orelha.

Por sua característica estética chamativa, as orelhas em abano podem acarretar à criança diferentes graus de trauma psicológico. Ao iniciar as atividades escolares a criança começa a ter uma maior convivência social, ficando mais exposta a brincadeiras de mau gosto de seus colegas.

É consenso que a melhor idade para a realização da cirurgia é a partir dos cinco anos de idade, poupando a criança, com sua personalidade em formação, de situações desagradáveis. As orelhas têm seu crescimento completo por volta dos seis, ou sete anos, permitindo assim realizar qualquer procedimento cirúrgico sem seqüelas tardias.


Rinoplastia

Por ser situado no centro da face, o nariz é fundamental para a harmonia e beleza facial. Qualquer alteração da sua forma ou tamanho implica em grande mudança na estética da face. Por ter estrutura complexa, o nariz apresenta uma grande variação entre raças e indivíduos. A rinoplastia é voltada para a correção das desproporções do nariz, tornando-o mais harmonioso com o restante da face e assim aprimorando a estética facial.

A cirurgia plástica do nariz pode ser associada com cirurgias que visam a correção da função respiratória (ex: septoplastia, turbinectomia) em pacientes que respiram com dificuldade. Como cada paciente tem uma genética própria, não é possível escolher um nariz que se pretende ter (por ex igual de alguém), mas sim corrigir e aperfeiçoar o próprio nariz, ficando com o nariz que se é possível ter, mais harmônoco com a face.

Tipo de anestesia: Local com sedação ou geral.

Pós-operatório: Após a rinoplastia, o paciente fica com um curativo de gesso ou acrílico por 7 dias e outro de fita adesiva por mais 20 dias.

É comum ocorrer na face edema (inchaço) e equimose (roxidão), que geralmente regridem em até 21 dias. Um edema residual persiste por até 6 meses, sendo notado pelo paciente como um endurecimento da ponta nasal. Qualquer trauma no nariz deve ser evitado por 2 meses depois da rinoplastia, pois como às vezes é feita fratura dos ossos nasais, um trauma pode levar ao deslocamento dos ossos.

Deve-se evitar calor (sol, banhos e ambientes muito quentes, etc.), pois o calor leva ao aumento do edema (inchaço).

Resultado Definitivo: O resultado definitivo da Rinoplastia é alcançado entre 6 meses e 1 ano, porém já há grandes mudanças a partir de um mês. As vezes, pequenos detalhes de posicionamento, ângulo do nariz com o lábio superior, largura dos ossos nasais, uma ponta grossa ou uma pequena giba (dorso alto) , combinados ou isoladamente, podem gerar uma desarmonia na beleza facial, da mesma forma que, corrigidos às vezes em pequenos detalhes, podem transformar um rosto de feio e desproporcionado a bonito e exuberante, ou pelo menos, mais bonito que antes.

É uma das cirurgias menos invasivas do arsenal da cirurgia plástica, pois é praticada em área mínima e mexe muito pouco com a economia do corpo do paciente. Por outro lado, sob o ponto de vista técnico é de longe a mais sofisticadas das cirurgias estéticas.

A cirurgia de nariz, pode ser associada à correção do desvio de septo nasal e esta associação é freqüente. Os pacientes devem estar informados de que esta cirurgia, com uma freqüência maior que as outras, pode necessitar algum retoque tardio, devido o processo cicatricial dos tecidos moles que podem distorcer a posição das cartilagens, e a cicatrização óssea que pode formar pequenas irregularidades.

É uma cirurgia bonita, seja sob o ponto de vista técnico seja pela possibilidade de surpreendentes resultados e sem a desvantagem de cicatrizes aparentes, o que só ocorreria nos casos reparadores.